quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Não tem palavra que dê conta da aflição que sinto agora. Vida suspensa no ar. Nada parece fazer sentido e o sentido preciso estar presente. Descobri que sou filha da Lua e que não sei como lidar com isso a meu favor. Vontade desesperada de algo que não o que é. Não sei por onde começar, se é que algo deve começar, recomeçar, terminar...

Essa angústia me dá arrepios e posso arrancar minha pele por conta própria.

3 comentários:

Raíssa S. disse...

Luna de Margarita bella

http://www.youtube.com/watch?v=Auw33gMZyAE

e.m. disse...

Lembrou-me um post de uma amiga no face: - O canceriano é uma criatura tranquila, quando não está com a “lua virada”.

Daí, como bom canceriano, respondi:
- Não posso negar!

Ela me responde:
- Amigo Eder, acho que nem eu posso negar...eu vinha controlando a canceriana em mim até que: bum! Já ouvi trezentas vezes, hoje, como se fosse um mantra, o trecho de "Desculpe" de Arnaldo Batista: "Desculpe, mas eu vou me fechar". Vou entrando no meu modo off, me escondendo em minha conchinha...e só porque: "Sinto o pulso de todos os tempos comigo até quando eu não sei". Não é à toa que Arnaldo também é canceriano. A nós, cancerianos:
http://www.youtube.com/watch?v=7yeZNm6dCrc

Ahh, estremeceu!

=**

e.m. disse...

Ah, como é bom voltar a ouvir o Devendra... fazia bom tempo que estava na gaveta dos ouvidos.